quinta-feira, 3 de março de 2011

A BOCA SØ SE CALA QUANDO O TIRO ACERTA

 
ASSIM COMO MUTOS LERAM E ASSISTIRAM NAS GRANDES MIDIAS.MAIS UMA VEZ A FACE DO NAZI-FASCISMO SE MOSTROU.

ATRAVEZ DE UM ATENTADO ORGANIZADO POR SKINHEADS NESTE ULTIMO DIA 26.TIVEMOS ALGUMAS VITIMAS,POREM TODAS JA ESTAM SE RECUPERANDO.NOSSO DOIS IRMAOS QUE SE ENCONTRAVAM HOSPITALIZADOS JA ESTAM DE VOLTA.

AGORA TEMOS QUE FAZER COM QUE ESTE CASO NAO SEJA ENCARADO COMO UMA SIMPLES BRIGA DE GANGUES.

OS NEONAZISTAS ACUSADOS JORGE GABRIEL GONZALEZ, MILTON GONÇALVES DO NASCIMENTO JUNIOR, RAPHAEL LUIZ DIERINGS E ROGERIO MOREIRA,MAIS UM DELES QUE POR SER MENOS NAO TIVEMOS ACESSO AO NOME,ESTAM SENDO ACUSADOS DE DUPLO HOMICIDIO QUALIFICADO POR MOTIVEL FUTIL;FORMAÇAO DE QUADRILHA E CORRUPCAO DE MENOR.

MAIS UMA VEZ A JUSTIA SE MOSTRA INDISPOSTA A COMBATER O RACISMO,A HOMOFOBIA,A XENOFOBIA,O MACHISMO E NAZISMO,QUANDO IGNORA EM SUA ACUSAÇAO O PRINCIPIO DE QUE ESTE CRIME TAMBEM SE PORTA COMO UM CRIME DE RACISMO.

SOMOS UMA ASSOCIACAO FORMADA POR DIVERSAS ORGANIZACOES E PESSOAS ANARCOPUNK’S AO QUAL SE RELACIONAM POLITICAMENTE COM OUTRAS DIVERSAS ORGANIZACOES E MOVIMENTOS SOCIAIS.

NAO ESTAMOS NA BATALHA COTIDIANA PARA VERMOS NOSSAS ACOES E CONSQUISTAS SEREM CLASSIFICADAS COMO MERAS BRIGAS DE GANGUES.
AUTODEFESA SE FAZ NECESSARIA E ESTE TIPO DE ATAQUE NAZISTA SE COLOCA COMO QUALQUER OUTRO QUE LAMENTAMOS SEMANALMENTE E AS DITAS AUTORIDADES REPETIDAMENTE IGNORAM OS FATOS.

REPITO AQUI OS NOMES DO NEONAZISTAS PRESOS :
JORGE GABRIEL GONZALEZ, MILTON GONÇALVES DO NASCIMENTO JUNIOR, RAPHAEL LUIZ DIERINGS E ROGERIO MOREIRA.

SENDO QUE OS MESMOS PODEM SAIR INJUSTAMENTE DA PRISAO POIS COMO SEMPRE RICO E BRANCO DIFICILMENTE SE ENCARCERA NA CITUACAO ATUAL QUE ENCONTRAMOS...

SOLIDARIEDADE AOS MOVIMENTOS,IDEAIS E AÇOES QUE DEFENDEM A LIBERDADE, A DIVERSIDADE E JUSTIÇA SOCIAL.

POR UM MUNDO ONDE CAIBAM VARIOS MUNDOS.

REGICIDA ANARCOPUNK DIRETAMENTE DO QUILOMBO DA BRASILANDIA.

SEGUE ABAIXO CARTA DA ASSOCIAÇAO MOVIMENTO ANARCOPUNK DE $AO PAULO:


CARTA-ABERTA
Em repúdio às atrocidades cometidas por skinheads e neonazistas
 
Por meio desta carta, dirigida aos movimentos sociais, imprensa e sociedade civil como um todo, buscamos expressar nosso repúdio ao ataque organizado por um grupo de cerca de 10 neonazistas contra o evento “Jornadas Anti-Fascistas” no último sábado (26 de fevereiro de 2011), nas proximidades do espaço autônomo Ay Carmela. Este acontecimento lamentável só frisa mais uma vez a necessidade urgente de que as discussões sobre esta problemática sejam ampliadas, e de que medidas concretas sejam tomadas. 


A agressão

O ataque organizado pelo grupo buscava interromper o evento, atacar violentamente os presentes, e possivelmente destruir um espaço autônomo de práticas libertárias.
Todos os membros do grupo estavam armados com facas, bastões de madeira, soco inglês e até uma espingarda de chumbinho.
O evento contava com a presença de grupos de RAP e bandas Punks, e entre as mais de 30 pessoas presentes havia, inclusive, crianças de colo.

Nas proximidades do evento, a primeira agressão já deixou muito clara a orientação política do grupo de skinheads: um jovem negro que tem uma perna mecânica e trabalha como catador de lixo. As outras 3 vítimas também seguem essa mesma característica, são jovens negros moradores da periferia de São Paulo, que foram atacados pelo simples motivo de estarem realizando um evento em memória de todas as vítimas da intolerância. Os agressores tinham claro qual seria o alvo, acabar com a memória, coagir algumas das poucas vozes que diariamente seguem denunciando as agressões por parte desses grupos de extrema-direita.
Os skinheads ainda afirmaram para os companheiros agredidos que "haviam pego mais um 'macaco'", reforçando mais uma vez o cunho racista e intolerante de suas ações. A população que estava no local se indignou com o ocorrido e solidarizou com os companheiros feridos.
 
O evento
A Jornada Anti-Fascista é um ato político-cultural organizado pelo Movimento Anarco Punk de São Paulo há 11 anos, que surgiu da indignação ante ao assassinato de Edson Neris em fevereiro de 2000, espancado até a morte por um grupo de mais de 20 skinheads com chutes e golpes de soco inglês, por ser homossexual e estar de mãos dadas com outro homem.
Nestes onze anos foram organizadas durante o mês de fevereiro uma série de atividades envolvendo atos públicos, panfletagens, debates, palestras, exposições, apresentação de bandas, exibições de vídeos e sobretudo a denúncia das ações intolerantes praticadas por grupos nazi-fascistas e skinheads. Todas essas atividades sempre foram organizadas em conjunto com a participação de diversas entidades da Sociedade Civil, como ONGs, movimentos sociais, grupos culturais e etc.
Nas diversas localidades em que foram organizadas estas atividades, em regiões centrais e periféricas, a proposta presente foi o combate ao racismo, a homofobia, a xenofobia e toda forma de intolerância. Uma luta da qual também partilham grupos e movimentos sociais diversos com os quais pudemos nos unir.
Como fruto do reconhecimento deste trabalho de denuncia de atitudes, práticas e grupos intolerantes junto aos movimentos sociais, em 2005 o Movimento Anarco Punk recebeu o prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade, da Associação do Orgulho GLBT de São Paulo, que conforme contato enviado pelo então presidente da associação Reinaldo Pereira Damião, "significa antes de tudo o reconhecimento dessa ação como algo de alta representatividade na vida dos homossexuais do Brasil e da sociedade de maneira geral, uma vez que o conteúdo da programação repercutiu de tal forma na militância homossexual, que hoje essa ação é seguida por vários grupos, inclusive a própria Associação do Orgulho GLBT de S. Paulo."

No último final de semana ocorria, então, a atividade de fechamento das Jornadas de 2011, com um ato público na Praça da República e ainda um evento com atividades culturais no espaço Ay Carmela, no centro da cidade.

Combatamos o nazi-fascismo!

Declaramos aqui nosso repúdio à agressão racista e intolerante de 4 companheiros por este grupo de skinheads, lembrando ainda que este não é um fato isolado, somando-se a ele centenas de casos semelhantes que acontecem há anos com assustadora frequência não só na cidade de São Paulo mas no mundo inteiro, provocando mortes, espancamentos, e danos diversos.
Frisamos que este acontecimento não pode de forma alguma ser pensado como uma "briga entre gangues", como muitas vezes a imprensa costuma noticiar tais agressões. Faz-se necessário politizar e problematizar estas agressões, e deixar de lado a idéia de que a ação destes grupos skinheads se limita a uma inofensiva briga de jovens.
Pensar desta forma é fechar os olhos para as centenas de casos de homossexuais, negros/as, nordestinos/as, imigrantes, punks e outros tantos grupos que já sofreram agressões semelhantes; é fechar os olhos para a crescente onda nazi-fascista que tem levado inclusive a juventude de classe média paulistana a organizar manifestos contra nordestinos/as ou mesmo a recente organização de um ato de cunho xenófobo pela extradição de Casare Batisti; é esquecer os grupos fascistas que maquiam seu discurso para ingressar na política e fazer valer seus ideais intolerantes.
Segundo informações divulgadas pela policia, existem milhares de indivíduos envolvidos em movimentações neonazistas já identificados em São Paulo. Porém nada é feito de forma efetiva e concreta, e tais indivíduos e grupos permanecem agredindo pessoas sem que nenhuma atitude seja tomada pela sociedade.
Essa nota não se limita apenas a essa agressão, mas diz respeito a todas as agressões e práticas neonazistas que ainda existem - seja elas por vias violentas ou institucionais - e devem ser combatidas. Busca chamar a atenção para algo que sofremos há muito tempo: a violência intolerante e fascista!
Os casos de agressão a negros, homossexuais e imigrantes vem crescendo assustadoramente. Podemos encontrar sites, perfis de comunidades sociais na internet, e em muitos bairros da cidade indícios da existência desses grupos. Podemos encontrar no rosto, no corpo e nas mentes de nossos irmãos e até de nós mesmos as cicatrizes dessa violência. Podemos encontra na conivência e na omissão por parte do Estado e dos órgãos de "segurança" o terreno fértil para a proliferação destes grupos.
A intolerância faz parte da lógica explorador X explorado, serve para tentar nos reduzir, serve para nos coagir para que nos encaremos enquanto inferiores, serve para deixarmos no passado as agressões que já existiram e torcer pra que não soframos mais.
Essa nota tem a intenção contrária, serve para nos lembrar que somos fortes, e resistimos até agora a toda essa violência, para lembrarmos que juntos podemos construir novos alicerces baseados no respeito, no apoio mútuo e na diversidade.
Serve pra nos lembrar que, se somos atacados é porque somos um perigo para esses grupos e para essas idéias, e para lembrarmos que nenhuma agressão intolerante será tolerada e esquecida.
Somos zumbi, somos os/as camelôs, somos os/as moradores/as de rua, somos Edson Neris, somos rappers, punks, somos homossexuais, imigrantes, negros/as, amarelos/as, vermelhos/as, brancos/as e nosso colorido pode sobrepor e combater essa violência!

Com esta carta fazemos um chamado a todos/as que de alguma forma se indignam com esta realidade, para que possamos combatê-la juntos/as, das mais diversas formas e nos mais diversos meios! Nos colocamos à disposição para contatos, atuações conjuntas e tudo o que possa fortificar a luta contra o racismo, a xenofobia, a homofobia e toda forma de intolerância nazi-fascista!

Propomos aqui aos movimentos sociais e indivíduos engajados nestas lutas uma reunião no dia 12 de março (sábado) para discussão de ações conjuntas e outras propostas. Caso tenha interesse, entre em contato!

A Luta Contra o Fascismo é a Luta pela Liberdade!

 Movimento Anarco Punk de São Paulo
Cx. Postal 1677 CEP 01032-970 SP/SP | map.sp@anarcopunk.org
Anarcopunk.org | info@anarcopunk.org
regicidas@hotmail.com
 

Um comentário:

Humberto Fonseca disse...

porra!
que merda meoo!!
num da pra viver mais de boa mesmo...

o que fazer?